sábado, 6 de junho de 2009

HOJE.

Hoje o mundo acordou com a cara virada
Tudo desarrumado e grudado
Hoje o mundo inteiro acordou sem querer falar comigo
Acho que ando atazanando o mundo..
penso que ando falando demais.

Mas há dias que não quero ver o mundo
Tem dias que não quero falar também.

Mas hoje era um dia absorto em toda palavra
Um dia em que plena, achei que podíamos travar num contexto
Um gesto ou um jeito
Se entender no que passa, no que passou e no que vem.

Esse mundo que se compõe de coisas e seus fins
E de pessoas que se coisificam, e de coisas que se personalizam.

Um dia ouvi um cego que profético,
que do que não via não entendia,
me disse: “Preste atenção,
tudo está perdido mas ainda tem o mundo
Ainda tem as gentes e o tempo.”

Mas no seu desejo de provérbio não pensou que eu já sabia
Duas vezes pobre, duas vezes cego.

Quero dizer que hoje eu não tenho o mundo
Não tenho as gentes e nunca fui tão muda, num estive tão mudada.
Hoje eu só tenho o tempo que bate cobrando o preço
Eu tenho o tempo e a palavra que se sentam ao meu lado
Só por eles e para eles eu não vivo só.


Um comentário:

  1. um belo poema Cintia.
    "E de pessoas que se coisificam"
    Bela passagem.

    beijo.

    ResponderExcluir